• Maria Antônia Nery

CROCHÊ VOLTA COM TUDO


Toda delicadeza da arte do crochê. Crochês por Nair Ordovás.

O crochê cresceu durante a quarentena, pois muitas pessoas acabaram cansando do mundo digital. Com isso, o artesanato voltou com tudo, inclusive aqueles que antes eram considerados atividades das nossas avós.


Existe uma grande variedade de linhas e agulhas para o crochê, e você deve pesquisar o que gostaria de fazer antes de comprar os materiais necessários. Se for alguma roupa, o ideal são linhas de algodão ou lã, materiais que são comuns na confecção de vestimentas.


Além do material da linha, você deve se atentar no tipo de fio. O barbante é um tipo de fio grosso e frequentemente usado para fazer tapetes. Já uma linha de algodão é mais fina, e dá um efeito mais delicado, sendo muito usada para fazer detalhes em peças de mesa.


A escolha da agulha de crochê também é importante. São diversos tamanhos a serem escolhidos, e o critério vai depender do que você pretende fazer. Peças que exijam pontos maiores, consequentemente, precisarão de tamanhos maiores. Os materiais da agulha podem ser considerados mais pessoais, vai de acordo com o que você se acostumar ou, achar mais confortável.

Com o crochê, também surgiram os amigurumis. São bonecos feitos de crochê ou tricô, geralmente bichos de pelúcia, a partir de uma técnica japonesa. Eles têm se popularizado cada vez mais como um presente único e artesanal, que demanda tempo e concentração, mas o resultado final é incrível.

Os materiais para fazer amigurumi geralmente são agulhas de dois ou quatro milímetros. As linhas variam para o tamanho e o aspecto que o boneco terá, a mais usada é a de algodão, por ser mais fácil de trabalhar e dar um acabamento delicado.



Amigurumi feito por Elisabete Menegon.

Além de ser um hobbie, algumas pessoas consideram o crochê algo terapêutico também, pois exige sua concentração no trabalho, e o resultado é lindo!

82 visualizações